sábado, 27 de novembro de 2010

Embriagando-se com Neruda

Deitado na minha cama as idéias parecem mais descompassadas do que quando estou perto do meu desassossego. É como se a inquietude me possuísse tornando-me um tanto recluso dentro da minha própria cela. Nessas horas acendo cigarros atrás de cigarros, desenterro um licor de tangerina, que mesmo fiz, no fundo do meu armário e começo a contemplar a minha fuga. No jornal, a notícia de que o mundo lá fora se diverte com a encruzilhada de balas desmancha qualquer possibilidade minha de vê-la. Sim, sairia pra qualquer lugar, com tiro ou sem tiro, só pra poder encostar-me em sua camada de açúcar. Vou colocar fogo num ônibus por não poder encontrá-la. Quer maior prova de fidelidade? Não tente entender o que certas pessoas têm na cabeça.
A lua está estatelada num céu de mercúrio e se aprumar um pouco meus braços para a direita, talvez, consiga encostar os meus dedos. É com essa imagem de proximidade que penso nela e na vontade de dizer tudo o que vem a minha cabeça. Hoje, tenho com o que sonhar e vender pra quem quiser comprar o meu melhor produto. Acho que é assim que se começa bem disposta à morte de poetas marginais. Talvez precise de Neruda perto de mim pra consolar-me.

8 comentários:

  1. "Não tente entender o que certas pessoas têm na cabeça"

    Como Neruda consolaria? Solidão acompanhada... é.

    Um abraço!

    Sempre transpondo os próprios escarros, dos próprios cigarros, que somos nós. Sempre assim.

    ResponderExcluir
  2. A nossa cidade está nos levando ao entremo da loucura e do dom.
    Paz pra nós.
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Bem, acordei e desejei que tudo fosse pro inferno, não imaginava que, se não fôssemos ao inferno, o inferno é que viria...
    balas...
    essas suas reflexões encantam o que resta da minha alma.

    ResponderExcluir
  4. Ah! o homem só é homem por ter o direito de embriagar-se!
    esse seu texto mescla realidade política e sentimental, isso se as duas não forem a mesma coisa!

    bjus!

    ResponderExcluir
  5. bom retornar. reencontrar estes retratos, rabiscos, memórias de passado e futuro. essa lua e essa janela, com licor e com afeto. versos e ventos nesses dias escuros.

    bom embriagar-me aqui com tuas palavras que descem rasgando. e bacana saber das andanças/conversas/cervejas até você voltar ao meu blog. feliz fico por todo esse compartilhar. sigamos, entre palavras e álcool, entre o mel e a fumaça, os derradeiros começos.

    beijos, beijos pra ti.

    ResponderExcluir
  6. olà
    fiz um blog novo e adoraria a sua presença por là
    me siga por favor
    www.amorimortall.blogspot.com
    obrigado
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Sim Neruda consola todos os tipos de imperfeições humanas.
    Uma vez Jim Morrinson disse que única obscenidade que ele conhecia era a violência, e ele tinha razão.

    abs, cerveja gelada fds !

    ResponderExcluir